O delegado Luis Eduardo Sandim Benites afirmou que a vítima não aceitava o relacionamento do casal.

Uma adolescente de 12 anos e o namorado de 16 são suspeitos de terem matado a mãe da menina, de 37 anos, em Pinheiro Machado, na Região da Campanha do Rio Grande do Sul. Segundo a Polícia Civil, o crime ocorreu na tarde de quinta-feira (28), na casa onde a mulher morava.

“Houve uma briga entre a mãe e o namorado da filha. A mãe não concordava com o relacionamento. Mataram ela e enterraram no pátio de casa”, disse o delegado.


Pesquisadores da Universidade de Sorocaba (Uniso) e da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em São Paulo, criaram um curativo cicatrizante a partis de uma proteína encontrada no abacaxi. “Quem tem ferimentos graves sabe muito bem a diferença que faz um bom curativo. 

Resultado de imagem para abacaxi

Ele precisa criar uma barreira contra microrganismos, evitando contaminações, e também ser capaz de propiciar atividade antioxidante para diminuir o processo inflamatório de células mortas e pus”, explicou Angela Faustino Jozala, coordenadora do Laboratório de Microbiologia Industrial e Processos Fermentativos (LaMInFe) da Uniso e uma das autoras do artigo.

Segundo a Agência Fapesp, foram realizados testes em laboratórios, com o uso de membranas de nanocelulose bacteriana. As estruturas foram submersas por 24 horas em solução de bromelina, a proteína do abacaxi. O resultado foi um aumento de nove vezes na atividade antimicrobiana da nanocelulose bacteriana.


Cães farejadores ajudaram a Polícia Civil a considerar esclarecido o assassinato da menina Vitória Gabrielly Guimarães Vaz, de 12 anos, que desapareceu no último dia 8 de junho, depois de sair de casa para andar de patins, em Araçariguama, interior de São Paulo.

46546-1

 Segundo a polícia, a garota foi assassinada pelo casal Bruno Marcel de Oliveira, de 33 anos, e Mayara Borges de Abrantes, de 24 anos, presos na manhã desta sexta-feira, 29, em Mairinque, na mesma região. “As diligências empregadas com cães farejadores, treinados para situações como as aqui tratadas, identificaram a presença de Bruno no local em que o corpo da vítima foi localizado”, afirmou a polícia no pedido de prisão temporária do casal.

Capturar-4

Burno e Mayara já tinham sido apontados como autores do crime pelo servente de pedreiro Julio César Lima Ergesse, que também está preso. A polícia acredita que ele ajudou o casal a matar Vitória, por isso ele também foi indiciado por homicídio doloso, juntamente com o casal. Na manhã desta sexta-feira, a polícia levou os cães à casa de Bruno, em Mairinque, para a coleta de novas provas. De acordo com o delegado seccional de Sorocaba, Marcelo Carriel, Bruno e Mayara negam o crime, mas, em seus depoimentos, entraram em contradição diversas vezes.

No pedido, a polícia afirmou ser necessária a prisão temporária “para se resguardar o sucesso das investigações, pois é imprescindível e urgente o esclarecimento dos fatos, até diante das novas evidências surgidas” e “diante do clamor popular que o caso alcançou”. A prisão foi decretada pela Justiça pelo prazo de 30 dias.