Cristiano Sales da Rocha foi morto na porta de sua própria casa em Itororó.

Um homem identificado como Cristiano Sales da Rocha de 39 anos foi morto a tiros na porta de sua residência, localizada à Rua Clemente Mariano em Bandeira do Colônia por volta das 22:20h desta sexta-feira, 24.


O Conselho Tutelar de Itororó foi acionado na manhã desta terça-feira (31/10), para averiguar uma agressão física sofrida por uma criança de 6 anos e de iniciais N. S. M no distrito de Bandeira do Colônia.

Ao chegarem ao local os conselheiros encontraram uma criança com a mão bastante queimada e confirmaram a informação de que o pai, identificado apenas como Cacau, agrediu a criança, pois, a mesma havia pegado dinheiro da mãe sem permissão.


Foi encontrado por moradores nesta manhã de Terça-Feira (06/12), um corpo já em estado decomposição no Distrito do Bandeira do Colônia, mais conhecido como “Jaquinho Magaref”, 55, anos.

corpo11
                            Foto: Leitor do Blog

logo-face | Redação Blog do Kel – Itororó

Segundo informações acolhidas por nossa reportagem, corpo do Homem identificado como Jackson Martins conhecido popularmente como “Jaquinho Magaref”, Jaquinho trabalhava na Feira Livre de Itororó diariamente.

Itororó amanheceu com pequenas pancadas de chuva, e mau cheiro do corpo era muito forte e moradores que passavam diariamente no local chamaram muito atenção por causa do Odor forte do corpo que já havia alguns dias, o corpo foi encontrado em sua própria residência no Bandeira do Colônia na antiga Rua da “Boiada”.


Jogado às traças e esquecido pela atual administração municipal, o distrito de Bandeira do Colônia, em Itapetinga, os casos de zika e dengue se multiplicam, assustadoramente, sem quaisquer providências por parte do governo municipal.

|Sudoeste Hoje

A situação do Bandeira é preocupante, mas o secretário de saúde do município, o médico Emmanoel Souza, não adota nenhuma medida eficaz para combater o mosquito, e quando é procurado diz apenas que está “tomando providências”.

APENAS UMA PONTE E UM RIO POLUÍDO DIVIDEM BANDEIRA DO COLÔNIA E ITORORÓ
APENAS UMA PONTE E UM RIO POLUÍDO DIVIDEM BANDEIRA DO COLÔNIA E ITORORÓ

Como o distrito de Bandeira é vizinho da cidade de Itororó, o alastramento dos vírus da zica e dengue tem tirado o sono do secretário de saúde de Itororó Marcelo Andrade, que atua com eficácia no combate ao mosquito em seu município, mas se vê de mãos amarradas diante do descaso verificado em Bandeira, que fica logo ao lado.

Pela proximidade, é imperativo que todas as ações em Bandeira do Colônia e Itororó sejam adotadas conjuntamente, sob pena de total ineficácia. É preciso também que haja mais transparência nas notificações e que os dados referentes aos casos de zika e dengue em Itapetinga deixem de ser maquiados pela Secretaria Municipal de Saúde, onde até já ocorreu um caso de morte por microcefalia, segundo dados da SESAB.


A jovem Natália Pinheiro Eger, de 16 anos, foi assassinada com 80 facadas após revelar ao ex-namorado que estava grávida em Rio do Sul, Santa Catarina. O suspeito confessou o ato e disse que cometeu o crime para que a atual namorada não descobrisse a história. A adolescente saiu de casa na última quarta-feira (25), para contar ao ex-namorado que estava grávida. Por causa da revelação, os dois discutiram. NATALIDe acordo com o delegado Isomar Amorim, o adolescente, que completaria 17 anos em dezembro, pegou uma faca na cozinha e desferiu um golpe no pescoço de Natália. Segundo informações do site R7, após a primeira agressão, o assassino disse à jovem que iria levá-la até a casa da avó dele para que cuidassem do ferimento. No entanto, ele a levou a um matagal, onde desferiu mais 79 golpes em várias parte do corpo da vítima.

A mãe da adolescente registrou um boletim de ocorrência por causa do desaparecimento da filha. Durante as investigações, os agentes foram até a casa do ex-namorado de Natália, onde foram informados de que o rapaz estava trabalhando com o irmão em Lontras, cidade vizinha a Rio do Sul.


rua 1

ITAPETINGA: Há seis meses, a prefeitura iniciou uma obra de recuperação do calçamento da rua Clemente Mariane, no distrito de Bandeira do Colônia, com a retirada do antigo pavimento, para correção posterior.

Mal iniciou, a obra parou e caiu no esquecimento, por “falta de cimento e areia”, segundo argumento do administrador distrital, diante das reclamações da população.

Segundo um experiente calceteiro de Itapetinga, que examinou as fotos enviadas por um morador do distrito, 2 ou 3 carros de areia lavada e cerca de 25 sacos de cimento, resolveria o problema, mas a Secretaria de Obras não quer nem tomar conhecimento do problema. Uma vergonha.

CLIQUE ABAIXO E VEJA MAIS FOTOS: