travesti

A Prefeitura de São Paulo vai pagar bolsas de estudo de R$ 840 para travestis e transexuais em situação de vulnerabilidade social. O programa, chamado “Transcidadania”, vai ser lançado pelo prefeito Fernando Haddad (PT) na tarde desta quinta-feira (29) e, inicialmente, deve atender cem pessoas.

Também será oferecido tratamento hormonal aos acolhidos pelo programa, para tentar evitar que recorram a métodos inseguros de mudanças no próprio corpo.

Segundo a Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC), o programa tem o objetivo de “promover os direitos humanos e oferecer condições de recuperação e oportunidades de vida” dos assistidos.

Como uma das metas da iniciativa é elevar o nível de escolaridade, travestis e transexuais devem participar de atividades escolares e profissionais para receber a bolsa, com carga horária semanal de 30 horas durante dois anos.

A previsão da pasta é que sejam investidos R$ 3 milhões no “Transcidadania” neste ano e em 2016. Ainda de acordo com a SMDHC, os assistidos pelo programa terão prioridade na Casa Abrigo do Brasil, exclusiva para travestis e transexuais”, e no Complexo Zaki Narchi.

Hormônio

Duas Unidades Básicas de Saúde (UBS), localizadas na República e em Santa Cecília, região central da capital paulista, vão atender pacientes do programa e oferecer tratamento hormonal. O objetivo é evitar que travestis e transexuais ponham em risco a própria saúde, como, por exemplo, na aplicação de silicone industrial.


O comerciante Joeldes José da Silva Martins, de 28 anos, é suspeito de matar a facadas o próprio filho, Caio Martins, de oito anos, no Jardim Herculano, Zona Sul de São Paulo, nesta terça-feira (27). De acordo com amigos do casal, Joel — como era conhecido — costumava brigar por ter ciúme excessivo de sua esposa, Valéria. O filho do casal Caio Martins, de apenas oito anos, foi quem pagou pela briga dos pais. Joel tinha discutido com a esposa antes de ir para o trabalho no dia do crime.

Itambé Agora 3 (1)

O comerciante Joeldes José da Silva Martins, de 28 anos, é suspeito de matar a facadas o próprio filho, Caio Martins, de oito anos, no Jardim Herculano, Zona Sul de São Paulo, nesta terça-feira (27). De acordo com amigos do casal, Joel — como era conhecido — costumava brigar por ter ciúme excessivo de sua esposa, Valéria. O filho do casal Caio Martins, de apenas oito anos, foi quem pagou pela briga dos pais. Joel tinha discutido com a esposa antes de ir para o trabalho no dia do crime.

Itambé Agora (4)

Em depoimento à polícia, o irmão de Joel contou que ele e Valéria também foram atacados quando tentaram defender a criança das facadas.

Itambé Agora  2 (2)

Vizinhos do casal chamaram a polícia, que encontrou Joel escondido em um dos cômodos. Segundo o delegado, ele tentou suicídio após o crime. Em depoimento, Joel optou pelo silêncio. Ele está preso na zona sul da capital paulista aguardando para ser levado ao Centro de Detenção Provisória. Joel deve responder por homicídio e duas tentativas de homicídio

Valéria se encontra medicada para lidar com o choque da cena que presenciou.


Comendador sai da prisão e retoma sua vida. Ele procura Maurílio e pergunta: “Quem é Fabrício Melgaço?”.

maurilio-imperio-e-josealfredo

José Alfredo (Alexandre Nero) volta a trabalhar na Império das Joias após sair da prisão nos próximos capítulos da trama das nove.

Ao chegar na empresa, ele encontra Maurílio (Carmo Dalla Vecchia) sentado na sua cadeira. Valquíria, a secretária, tenta avisar ao Comendador, mas ele vai logo entrando e leva um susto.

Veja diálogo:

José Alfredo – Tem alguém sentado no meu lugar…

Maurílio – Mas olha… Quem é vivo sempre aparece!

José Alfredo – É, Maurílio, quem é vivo demora, mas aparece, e quem é vivaldino sempre dá um jeito de passar a perna até nos mortos.

Maurílio – Se está insinuando que te passei a perna. É porque não passa de um ingrato. Tudo que eu fiz desde que você sumiu do mapa, foi salvar sua família e tirar a Império do emaranhado em que ficou por sua causa. Foi um pepino atrás de outro! E se não fosse a minha boa vontade.

José Alfredo – Deixa de ser cínico! Não vem me fazer de idiota, porque já sei: tudo que você fez pela minha família e pela minha empresa foi com o meu dinheiro, o meu próprio dinheiro.

Maurílio finge não saber do que se trata e jura que não tem nada com o roubo.

José Alfredo – E eu juro que já sei de tudo! Você é um dos que tão por trás dessa armação pra me derrubar, mas não tá agindo sozinho, tem mais gente na jogada… E é de um deles que quero falar agora, então me diga: quem é Fabrício Melgaço?

Danielle (Maria Ribeiro) assiste tudo no computador que transmite as imagens da câmera instalada por Maurílio no escritório. Ela vê o amante negar a identidade de Fabrício Melgaço.

“Nunca ouvi falar nesse nome, não sei de quem se trata”, responde o biólogo. Os dois continuam discutindo e o Comendador afirma que ele é um pau mandado de Fabrício. “Eu, pau mandado?… Tá pra nascer o homem que vai me dar ordens”, dispara Maurílio. Zé completa: “Pára de bancar o vilão de filme americano com esses seus olhos azuis, que eu já descobri tudo a seu respeito! Sei que você pode ser tudo menos o filho do meu amigo Sebastião Ferreira, e nem se chama Maurílio!”

Maurílio chama José Alfredo de louco e o empresário afirma: “Fui a São João del Rei, rapaz, segui tuas pistas! Falei com dona Jesuína Ferreira (Laura Cardoso), mãe do verdadeiro Maurílio, cuja identidade você assumiu depois que ele morreu! O pai dele, Sebastião Ferreira, não era o que conheci, era um agricultor que já morreu, mas não está enterrado no Monte Roraima e sim numa cova rasa ao lado do filho Maurílio… E lá em São João del Rey, de onde nunca saiu na vida!”.

O biólogo reafirma que não sabe do que o Comendador está falando.

“Império” vai ao ar logo após o “Jornal Nacional”.


Apesar de ter se convertido, Urach disse que continuará trabalhando como modelo e fazendo ensaios sensuais para sustentar a família.

ANDRESSA-U1

Andressa Urach fez um novo depoimento na manhã desta quinta-feira (29) em seu perfil no Instagram. Dessa vez, a modelo contou detalhes dos trabalhos que fez para conseguir dinheiro, fama e afastar pessoas. A modelo aproveitou para testemunhar sua experiência com Deus durante o coma e que voltou para a igreja da família.

“Fiz um pacto com uma pombagira que a cada um mil reais que eu ganhasse eu lhe daria uma shamppagne [sic] fora os valores de trabalhos e das festas de final de ano”, escreveu na rede social.

Apesar de conquistar tudo que queria, a modelo explica que se sentia com a alma vendida e que resolveu se afastar. Ela chegou a atribuir ao pacto, a infecção que sofreu causada por uma bactéria durante a cirurgia de retirada de hidrogel das pernas. “Procurei a Cristo então quase tudo que conquistei eu perdi inclusive quase minha vida”, lembra.

Voltou para Deus
Andressa conta que durante seu internamento no hospital teve um encontro com Deus, pediu perdão pelos pecados, foi perdoada e que isso a tirou do coma. “Clamei a ele uma segunda chance pelo amor que eu tinha ao meu filho e queria ver ele crescer, pedi perdão a Deus e ele me perdoou!!!! Me deu uma segunda chance e eu acordei do coma!”.

Nos 25 dias que passou em na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) disse que chegou a ver vultos negros a cercando e temeu por sua vida. Para ela, todo o sofrimento foi causado pelo seu passado, que chama de “pecaminoso”.

RTEmagicC_9af8e2ad96.jpg

Depois de sua alta no dia 24 de dezembro, a loira contraiu outra bactéria e precisou ser internada novamente. Por conta disso, ela comecou a ouvir a bíblia e refletir sobre seus problemas.

“Me tornei dizimista da casa do senhor voltei a Igreja e aprendi que na Bíblia está escrito que o dízimo eh sagrado, fiz meus propósitos com Deus e ele mostrou seu poder, diante dos meus propósitos ele me curou novamente! Minha fé me curou!”. A modelo explicou que passou a procurar outras religiões por achar errado a família pagar dízimo ou ofertas à Igreja Universal do Reino de Deus.

Apesar de ter se convertido, Urach disse que continuará trabalhando como modelo e fazendo ensaios sensuais para sustentar a família. “Não vou deixar de trabalhar na Tv […] vou continuar trabalhando honradamente mesmo que seja fazendo um ensaio de lingerie, Pq sustenta minha casa, e coloca comida na minha mesa”, concluiu.


Já está difícil imaginar uma área em que a digital do Google não esteja presente. A mais recente delas foi anunciada nesta quarta-feira, dia 21: o Google vai se tornar a mais nova operadora celular do Estados Unidos. Não será uma operadora convencional, dona de torres de transmissão e estações rádio base: será uma MVNO – Mobile Virtual Network, algo como Operadora Móvel Virtual. Na prática, o Google vai alugar a infra-estrutura da T-Mobile e da Sprint (operadoras convencionais que atuam no mercado norte-americano) e oferecer seus próprios pacotes diretamente aos consumidores.

70025.112880-Google

A notícia caiu como uma bomba no mercado do Tio Sam. Por lá, a competição entre as empresas já é bastante acirrada e, agora, todos se preparam para uma guerra de preços ainda maior, com a chegada do Google. O temor tem precedentes. O gigante das buscas já mexeu com mercado de banda larga de lá, ao oferecer conexões com 1 Gbps de velocidade a preços acessíveis em algumas cidades. O resultado do movimento foi um aumento do esforço das outras operadoras para oferecer conexões mais rápidas em seus mercados, em ações preventivas contra a “ameaça” do Google. Agora, espera-se que efeitos similares possam ser sentidos no mercado celular.

Uma nova era de comunicação celular

Há tempos o Google vem pressionado o FCC (órgão do governo de lá parecido com nosso ministério das comunicações) para que uma parte do espectro anteriormente ocupado pela TV analógica seja liberado para redes Wi-Fi. No plano maior do Google, no futuro, essas redes Wi-Fi seriam a principal forma de conexão para os smartphones – eles só usariam a comunicação celular mais tradicional onde não houvesse oferta dessas redes. O detalhe é que esse desenho pode fazer com que os custos de todo o ecossistema caiam dramaticamente. Ótima notícia para os consumidores e para o processo de conexão como um todo. Nem tão boa perspectiva para as atuais operadoras celulares. (Fonte: Olhar Digital)


Eles haviam sido condenados na última sexta-feira pela morte de Rafael Mascarenhas, em 2010.

ciça11

A Justiça do Rio concedeu liberdade nesta quarta-feira (28) aos dois acusados de atropelar e matar Rafael Mascarenhas, filho de Cissa Guimarães, em 2010. Eles haviam sido condenados na última sexta-feira. A defesa de Rafael de Souza Bussamra e do seu pai, Roberto Bussamra, conseguiu um habeas corpus para os dois. Eles foram presos no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na Zona Oeste.

Rafael de Souza Bussamra foi condenado a sete anos de prisão em regime fechado e mais cinco anos e nove meses em semiaberto por dirigir o carro que atropelou o jovem em uma área fechada para o trânsito.

O pai dele, Roberto Bussamra, foi condenado a oito anos em regime fechado e nove meses em semiaberto por pagar R$ 1 mil de propina a dois PMs para desfazer o local do acidente e evitar a prisão em flagrante do motorista.

Rafael foi condenado pelos crimes de corrupção ativa, homicídio culposo, inovação artificiosa em caso de acidente automobilístico, afastamento do local do acidente para fugir à responsabilidade penal e participação em competição automobilística não autorizada.

Ele teve a carteira de habilitação suspensa por quatro anos e meio. Roberto foi sentenciado pelos crimes de corrupção ativa e inovação artificiosa em caso de acidente automobilístico.

Pena maior para o pai’Eles quebraram a minha família’
Após a prisão, Cissa Guimarães chegou a comemorar com um desabafo ao vivo na no Mais Você. “É uma vitória de todos nós, da sociedade. É uma conquista”, disse ela. “Acho que a sentença vale como uma reflexão. Não existe uma educação de um pai que acoberta o crime de um filho. Isso não é amor, você não pode ter um descaso por uma vida humana. Eles quebraram a minha família”, disse Cissa, emocionada.

O pai recebeu uma condenação maior do que o filho por tentar corromper policiais para livrar a atitude do filho. “O caso vertente retrata não apenas policiais que acobertam e omitem o crime (sendo, por isso, também criminosos), mas também os falsos pais que superprotegem os filhos criando pessoas socialmente desajustadas. Impõe-se uma reflexão sobre o tipo de sociedade que pretendemos para as futuras gerações ou, mais ainda, que tipo de cidadãos somos. Afinal é essa uma das dificuldades atuais da humanidade no plano da ética. De nada vale o Estado reconhecer a dignidade da pessoa se a conduta de cada indivíduo não se pautar por ela”, relata o magistrado.

O juiz destaca ainda que a atitude do pai em tentar acobertar o filho levou a uma condenação maior. “O que se observa é um comportamento reprovável e malicioso dos réus, que através de uma enxurrada de inverdades buscaram não somente eximirem-se da responsabilidade penal, mas na realidade transferi-la com maior peso a outras pessoas. Percebe-se uma verdadeira degradação de valores morais em uma família de classe média, que talvez por mero individualismo, ou abraçando uma cultura brasileira de tolerar exceções, tende a apontar os erros dos outros, e colocando um verdadeiro véu sobre seus erros”, assinala o juiz.

A Justiça do Rio concedeu liberdade nesta quarta-feira (28) aos dois acusados de atropelar e matar Rafael Mascarenhas, filho de Cissa Guimarães, em 2010. Eles haviam sido condenados na última sexta-feira. A defesa de Rafael de Souza Bussamra e do seu pai, Roberto Bussamra, conseguiu um habeas corpus para os dois. Eles foram presos no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na Zona Oeste.

Rafael de Souza Bussamra foi condenado a sete anos de prisão em regime fechado e mais cinco anos e nove meses em semiaberto por dirigir o carro que atropelou o jovem em uma área fechada para o trânsito.

O pai dele, Roberto Bussamra, foi condenado a oito anos em regime fechado e nove meses em semiaberto por pagar R$ 1 mil de propina a dois PMs para desfazer o local do acidente e evitar a prisão em flagrante do motorista.

Rafael foi condenado pelos crimes de corrupção ativa, homicídio culposo, inovação artificiosa em caso de acidente automobilístico, afastamento do local do acidente para fugir à responsabilidade penal e participação em competição automobilística não autorizada.

Ele teve a carteira de habilitação suspensa por quatro anos e meio. Roberto foi sentenciado pelos crimes de corrupção ativa e inovação artificiosa em caso de acidente automobilístico.

ciça1

 Pena maior para o pai’Eles quebraram a minha família’Após a prisão, Cissa Guimarães chegou a comemorar com um desabafo ao vivo na no Mais Você. “É uma vitória de todos nós, da sociedade. É uma conquista”, disse ela. “Acho que a sentença vale como uma reflexão. Não existe uma educação de um pai que acoberta o crime de um filho. Isso não é amor, você não pode ter um descaso por uma vida humana. Eles quebraram a minha família”, disse Cissa, emocionada.

O pai recebeu uma condenação maior do que o filho por tentar corromper policiais para livrar a atitude do filho. “O caso vertente retrata não apenas policiais que acobertam e omitem o crime (sendo, por isso, também criminosos), mas também os falsos pais que superprotegem os filhos criando pessoas socialmente desajustadas. Impõe-se uma reflexão sobre o tipo de sociedade que pretendemos para as futuras gerações ou, mais ainda, que tipo de cidadãos somos. Afinal é essa uma das dificuldades atuais da humanidade no plano da ética. De nada vale o Estado reconhecer a dignidade da pessoa se a conduta de cada indivíduo não se pautar por ela”, relata o magistrado.

O juiz destaca ainda que a atitude do pai em tentar acobertar o filho levou a uma condenação maior. “O que se observa é um comportamento reprovável e malicioso dos réus, que através de uma enxurrada de inverdades buscaram não somente eximirem-se da responsabilidade penal, mas na realidade transferi-la com maior peso a outras pessoas. Percebe-se uma verdadeira degradação de valores morais em uma família de classe média, que talvez por mero individualismo, ou abraçando uma cultura brasileira de tolerar exceções, tende a apontar os erros dos outros, e colocando um verdadeiro véu sobre seus erros”, assinala o juiz.


queimadura

Um adolescente de 13 anos, sofreu queimaduras de segundo grau ao tentar fazer um bomba de fumaça dentro da cozinha de casa, em São Paulo. O menino, que seguia uma receita encontrada na internet, acendeu o fogão e misturou em uma panela de açúcar, salitre e bicarbonato de sódio.

A mistura causou uma grande explosão, que acabou atingindo o rosto e as mãos do garoto.

No momento da experiência, apenas a avó do garoto estava em casa. “Eu estava indo tomar banho quando ouvi a explosão na cozinha. Eu não sabia o que fazer. Os vizinhos que vieram socorrer porque ele dizia que não conseguia enxergar”, disse em entrevista ao G1.

O adolescente foi encaminhado ao Hospital Estadual de Bauru logo após a explosão. Ele segue internado e deve ficar com algumas marcas de queimadura após a recuperação.

Fonte: G1