MAIS MÉDICOS

O Jornal da Band revelou nesta terça-feira gravações bombásticas de uma reunião anterior ao lançamento do “Mais Médicos” na qual assessores do Ministério da Saúde* e a atual coordenadora** do programa na Organização Panamericana de Saúde (Opas) discutiram meios de mascarar o objetivo do governo do PT de financiar a ditadura cubana, reservando a maior parte do orçamento a profissionais do país dominado pelos irmãos Castro.

A pauta da reunião incluiu:

a) Como disfarçar a preferência do governo por Cuba:

Solução: simular uma abertura para médicos de outros países.

b) Como disfarçar a vinda dos vigias do regime, que fiscalizam os escravos médicos para impedir deserções:

Solução: inflar o número de escravos.

c) Quanto do salário dos escravos ficará com a ditadura:

Solução: 60% para o governo e 40% para o médico, como estipulou Marco Aurélio Garcia, assessor internacional da Presidência. (A ditadura acabou abocanhando mais de 70%.)

Voltarei ao assunto em breve. Assista à comprovação de tudo que nós já sabíamos.

https://www.youtube.com/watch?v=Fe03u2SY_KA

* Rafael Bonassa, assessor do gabinete do ministro, Alberto Kleiman, da área internacional e Jean Kenji Uema, chefe da assessoria jurídica.
** Maria Alice Barbosa Fortunato.


Por três votos a zero, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) decidiu que o senador Aécio Neves continua réu em ação civil por improbidade administrativa movida contra ele pelo Ministério Público Estadual (MPE).

Aécio é investigado pelo desvio de R$ 4,3 bilhões da área da saúde em Minas e pelo não cumprimento do piso constitucional do financiamento do sistema público de saúde no período de 2003 a 2008, período em que ele foi governador do estado. O julgamento deverá acontecer ainda esse ano. Se culpado, o senador ficará inelegível.

Desde 2003, a bancada estadual do PT denuncia essa fraude e a falta de compromisso do governo de Minas com a saúde no estado. Conseqüência disso é o caos instaurado no sistema público de saúde, situação essa que tem se agravado com a atual e grave epidemia de dengue.

Recurso

Os desembargadores Bitencourt Marcondes, Alyrio Ramos e Edgard Penna Amorim negaram o provimento ao recurso solicitado por Aécio Neves para a extinção da ação por entenderem ser legítima a ação de improbidade diante da não aplicação do mínimo constitucional de 12% da receita do Estado na área da Saúde. Segundo eles, a atitude do ex-governador atenta aos princípios da administração pública já que “a conduta esperada do agente público é oposta, no sentido de cumprir norma constitucional que visa à melhoria dos serviços de saúde universais e gratuitos, como forma de inclusão social, erradicação e prevenção de doenças”.

A alegação do réu (Aécio) é a de não ter havido qualquer transferência de recursos do estado à COPASA para investimentos em saneamento básico,  já que esse teria sido originado de recursos próprios. Os fatos apurados demonstram, no entanto, a utilização de valores provenientes de tarifas da COPASA para serem contabilizados como investimento em saúde pública, em uma clara manobra para garantir o mínimo constitucional de 12%. A pergunta é: qual foi a destinação dada aos R$4,3 bilhões então?


A briga ficou feia entre Alexandre Frota e o deputado federal Jean Wyllys. Tudo começou quando Frota, em uma entrevista ao programa ‘Agora É Tarde’, na Band, contou que havia feito sexo com uma mãe de santo. O programa foi ao ar em maio de 2014 e na época não gerou repercussão. Mas, depois de ser reprisado no último dia 25, deu o que falar.

frota x jeanDe acordo com o colunista Léo Dias, do jornal O Dia, a história foi contada em meio a risos de Frota, Rafinha Bastos e da plateia, e parecia tratar-se de um sexo sem consentimento. Jean acusou Frota de fazer apologia ao estupro. Com a acusação e críticas, o ator decidiu se manifestar e se defendeu por meio de uma carta publicada em sua rede social.

“É muito grave essa acusação. Não pensaram na minha família, filhos em colégios, esposa e etc. Eu não vou aceitar a calúnia levantada ao meu respeito, de uma história de ficção, uma piada (gostar ou não todos têm direito). Estamos em um estado democrático. Não é justo comigo me chamar de estuprador . Eu, Jean Wyllys, ao contrário de você, realmente gosto de sexo viril, forte e com pegada. Gosto de sexo como homem, sexo fraco para mim não serve mesmo, Sr. Jean Wyllys. Seu problema é único. Ao ver a cena no Rafinha Bastos, interpretada por mim, se excitou e se viu no lugar da mãe de santo”, alfinetou Frota.