avião

Um avião da companhia taiwanesa TransAsia caiu com 58 pessoas a bordo em um rio da capital Taipei, nesta quarta-feira. De acordo com informações locais, 25 pessoas morreram, 15 ficaram feridas e pelo menos outras 18 ainda estão desaparecidas. Entre os sobreviventes, estão duas crianças. Confira imagens.

A queda do voo GE235 aconteceu por volta das 11h (locais), minutos depois da aeronave decolar do aeroporto de Taipei, com destino à ilha de Kinmen, a oeste. O avião, um bimotor ATR-72, se chocou contra uma ponte antes de cair no rio Keelung.

Não há ainda informações concretas sobre a causa da queda, mas controladores de tráfego aéreo relataram que o piloto da aeronave pedia socorro por conta de um possível incêndio no motor. O voo sofreu uma aparente perda de sustentação, como apontaram autoridades e especialistas que conferiram vídeos do acidente.

Pelo menos 170 funcionários de emergência foram acionados para o resgate no local. Equipes de busca afirmaram que a água no rio tinha pouca visibilidade, o que prejudicava a ação de mergulhadores. As caixas-pretas foram localizadas. Dos 15 feridos, nove estariam em estado grave.

Um táxi chegou a ser atingido pela asa do avião, e o motorista dele teria desmaiado, segundo o “Hong Kong’s Apple Daily”. Ele teve leves ferimentos na cabeça.

De acordo com a Administração de Aviação Civil de Taiwan, o avião bimotor tinha apenas nove meses. A última revisão nele foi feita no último dia 26 de janeiro. Piloto e copiloto foram identificados respectivamente como Jianzong Liao e Zizhong Liu, de 42 e 45 anos. Dos 53 passageiros, 31 eram chineses — viajando a turismo — e 22 taiwaneses.

Este é o segundo acidente da companhia aérea em poucos meses. Em julho passado, um avião caiu com 54 passageiros e quatro tripulantes a bordo em uma ilha turística do arquipélago de Penghu, na costa oeste de Taiwan. Somente dez pessoas sobreviveram à queda causada pelo mau tempo.

Equipes de busca trabalham em resgate enquanto curiosos conferem cena de acidente no rio Keelung – PICHI CHUANG / REUTERS.

FONTE: O GLOBO