Os seis parentes encontrados mortos em casa na quinta-feira (26) foram enterrados às 10h desta sexta-feira (27) no Cemitério da Linha Fernando Machado, em Cordillheira Alta, no Oeste catarinense. O funcionário público Alcir Pederssetti, 42 anos, é suspeito de ter matado a tiros a própria família e cometido suicídio.

Foram encontrados mortos Alcir, a esposa Monica Pederssetti, de 33 anos, a filha do casal, Lana Pederssetti, de 16, além dos pais de Monica, Antonio Moresco e Luiza Moresco, de 68 e 65 anos, respectivamente, e a irmã dela, Lucimar Moresco, de 36.

Durante a madrugada, cerca de duas mil pessoas prestaram as últimas homenagens no velório da família, realizado em um ginásio de esportes da cidade. A cerimônia iniciou por volta das 19h.

Centenas de pessoas participam de velório de familiares na noite desta quinta (26) (Foto: Martin de Moraes/RBS TV)Centenas de pessoas participam de velório na noite desta quinta (26) (Foto: Martin de Moraes/RBS TV)

Enterro
Segundo a funerária encarregada de realizar o ato, os corpos de Lana, Antonio, Luiza e Lucimar chegaram por volta das 19h. Cerca de três horas depois, chegaram os corpos do casal Monica e Alcir. Centenas de pessoas participavam do velório no final da noite.

Investigação
A Polícia Civil instaurou inquérito para apurar a morte dos seis familiares, que foram encontrados pela empregada doméstica na manhã de quinta.

Segundo o delegado Danilo da Silva Fernandes, responsável pelo caso, Alcir é o principal suspeito de ter matado todos.

“Os primeiros apontamentos, analisando o local, é de que ele [Alcir] tenha matado. A posição da arma, dos projéteis [indicam isso]”, afirma o delegado. Segundo ele, não há indícios de que a casa tenha sido arrombada.

casal_1

Monica e Alcir eram casados e enfrentavam problemas conjugais, diz polícia (Foto: Montagem/Facebook)

Monica e Alcir eram casados e enfrentavam
problemas conjugais, diz polícia
(Foto: Montagem/Facebook)

Posse de arma
Fernandes afirma também que o revólver calibre 38, encontrado no local do crime e que pode ter sido utilizado na ação, possuía registro, mas Alcir não tinha porte de arma.

“Ele não tinha antecedentes criminais. Temos que aguardar o resultado do laudo da perícia, que deve sair em 10 dias. Se apontar que foi ele, o inquérito será encerrado. Parece que o relacionamento não ia bem, a mulher queria se separar”, explica o delegado.

Casa da família foi isolada pela Polícia Militar (Foto: Jhota Biavatti/TV Box)

Casa da família foi isolada pela Polícia Militar (Foto: Jhota Biavatti/TV Box)

Todos foram baleados
De acordo com o IML, havia marcas de mais de um disparo no corpo da esposa e do sogro de Alcir, mas o plantonista não soube precisar quantos. Segundo ele, os demais corpos possuíam marca de um disparo.

Segundo a polícia, Monica teria sido a primeira vítima. Lana, filha do casal, foi encontrada morta na sala, ao lado do corpo do pai. Os corpos de Antonio Moresco e Luiza Moresco estavam em um quarto e o de Lucimar Moresco, em outro quarto.

Lana, de 16 anos, é uma das vítimas (Foto: Reprodução/Facebook)

Lana, de 16 anos, é uma das vítimas
(Foto: Reprodução/Facebook)

Comoção
O suspeito era funcionário público e trabalhava havia 10 anos na Secretaria de Agricultura de Cordilheira Alta. “Sempre tranquilo, sempre desempenhava suas funções. Inclusive ontem [quarta-feira] ele ficou a tarde toda lá na prefeitura e estava de férias”, afirma o prefeito Alceu Mazzioni.

A família era conhecida na cidade de 4,1 mil habitantes. Moradores estão abalados com as mortes, especialmente as cerca de 200 famílias, a maior parte de agricultores, moradoras do Distrito de Fernando Machado, onde ocorreu o crime.

Alguns vizinhos comentaram que ouviram os tiros por volta das 4h30. No entanto, eles disseram que era comum Alcir atirar quando achava que havia alguém suspeito no terreno, então não deram importância.



Nesta quinta (26), o vereador Valquírio Lima, da base governista, apresentou o Projeto de Lei nº 002/2015 de 24 de fevereiro de 2015, que “Acresce e modifica dispositivos da Lei nº 1.230/13 que “Autoriza o Município de Itapetinga a outorgar a concessão dos serviços públicos de transporte coletivo urbano de passageiro e dá outras”.

valquírio lima

projeto de valquírioO vereador Valquírio Lima, pediu uma DISPENSA DE INTERSTÍCIO, mas mesmo com a presença dos topiqueiros pressionando, os vereadores de oposição votaram contra, prejudicando os topiqueiros. Só que esses mesmos vereadores, já votaram  numa Dispensa de Interstício, quando beneficiou a Empresa Viação Itapetinga.

“Eles deveriam ter decido nossa vida hoje, esse  negócio de brigar na Justiça, demora 2, 3, 4 ou até 5 anos. Demora demais, eles deveriam ter votado no Projeto, para nos beneficiar, agora ficam mandando entrar na Justiça”, disse Washington Luís, membro da Associação dos Topiqueiros.

Se a Dispensa de Interstício do vereador Valquírio Lima, tivesse sido aprovada, a primeira votação do Projeto teria acontecido na mesma Sessão.

topiqueiros

FOTO: CIDADE ACONTECE



Nos próximos capítulos de “Império“, Cláudio vai se separar de Beatriz (Susy Rego) após assumir que sente falta de sair com homens.

Conforme noticiado pelo NaTelinha, o cerimonialista pede uma nova chance a Leonardo (Klebber Toledo). Durante o encontro, Cláudio revela que ainda gosta do ator: “Nossa história não acabou. Foi interrompida à nossa revelia”. O rapaz fica surpreso com o pedido e promete pensar na proposta.

claudio-leonardo-imperio-final
Cláudio se separa de Beatriz e vai morar com Leonardo. Foto: Divulgação

 

Em outra cena, Cláudio revela para Beatriz a conversa que teve com Leonardo. A mãe de Enrico (Joaquim Lopes) apoia o marido, mas pede o divórcio.

Confira diálogo:

Beatriz – Não vou tentar te impedir, tolher, ou reprimir, sei lá qual é a palavra.

Cláudio – Tinha certeza que podia contar com você.

Beatriz – Vou ser a mesma Beatriz amiga e compreensiva.

Cláudio – Como sempre foi.

FOTO: GLOBO

 

Beatriz – Com uma única diferença. Nossos filhos estão, já crescidos, passaram por situações limites e sabem o quanto a vida é difícil. E podem muito bem caminhar com os próprios pés, sem a mãezona por perto para protegê-los. Por isso, Cláudio, sem rancor, sem ressentimentos, você sabe que eu vou te amar até o fim dos meus dias. Se é a minha autorização que você quer, tudo bem, eu te autorizo. Volta à sua antiga vida. Eu vou continuar te dando todo o meu apoio”.

Beatriz suspira e logo em seguida fala: “Mas a gente se separa antes disso”.

Em tempo

Na reta final da novela, Beatriz e Cláudio continuarão sócios e amigos. O cerimonialista vai morar com Leonardo, que após o pedido do cerimonialista resolveu acabar seu namoro com Etevaldo (André Gonçalves).  A mãe de Enrico não ficará sozinha e irá namorar um bonitão de meia-idade.



Na manhã desta sexta-feira (27) por volta das 08:30 hrs, mais um grave acidente foi registrado na BA 263, próximo a Torre.

ACIDENTE NA BA2631

Um motorista e um carona saíram de Teixeira de Freitas em um veículo Ford EcoSport com destino à Vitória da Conquista, quando o motorista cochilou ao volante na subida da ladeira  próximo a Torre, perdeu o controle, saiu da pista, vindo a capota depois do acostamento.

Os ocupantes nada sofreram, mas o veículo ficou muito danificado. Provavelmente o acidente só aconteceu, porque o motorista acabou cochilando.

ACIDENTE NA BA 263

Aguarde mais informações……….



A polêmica envolvendo a possível suspensão do WhatsApp no Brasil serviu para alavancar um dos concorrentes do serviço de troca de mensagens, o Telegram.

Em uma mensagem divulgada nesta quinta-feira, 26, a empresa informou que, nas últimas 20 horas, dois milhões de brasileiros se cadastraram no serviço.Uma média de 100 pessoas estavam chegando a cada segundo, o que fez a rede do Telegram balançar.Em uma segunda mensagem, a empresa diz que usuários nas Américas poderiam enfrentar alguma dificuldade de acesso por causa da alta procura dos brasileiros.



O desembargador Raimundo Nonato Alencar, do Tribunal de Justiça do Piauí, derrubou a decisão do juiz Luiz de Moura Correia, da Central de Inquéritos da Comarca de Teresina, que pedia a suspensão do aplicativo WhatsApp no Brasil por não colaborar com as leis brasileiras.

De acordo com o desembargador, o ato punitivo aplicado pelo juiz não é razoável. “A suspensão de serviços afeta milhões de pessoas em prol de investigação local”, justificou Alencar na sentença, publicada nesta quinta-feira (26), um dia após opolêmico pedido de suspensão ter vazado na internet.

Correia encaminhou um mandado aos provedores de infraestrutura (backbones, ou seja, os serviços que conectam o Brasil à internet) e aos provedores de conexão (operadoras de telefonia móvel, entre outras), para que suspendessem temporariamente o aplicativo de mensagem instantânea, até que a empresa cumprisse determinações judiciais de 2013. A suspensão atingiria os domínios whatsapp.net e whatsapp.com.

Os serviços não chegaram a ser interrompidos porque os provedores teriam entrado com recurso na Justiça contra a decisão de Correia. A greve do Judiciário piauiense, que já dura quatro dias, também teria prejudicado o cumprimento do mandado.

Em nota, o juiz disse que a determinação foi fruto “de reiterados descumprimentos de ordens judiciais, em diversos procedimentos que apuram crimes da mais elevada gravidade”. Segundo ele, o WhatsApp tem adotado uma “postura arrogante“. “Sob a alegação de não ter escritório neste país, se mantém inerte às solicitações da Justiça brasileira, desrespeitando decisões judiciais a bel-prazer.”

Apesar de a decisão ter sido derrubada, a Polícia Civil do Piauí comunicou que pretende aplicar novas medidas punitivas contra o WhatsApp até que a empresa colabore com as investigações em andamento. Não foi informado, no entanto, quais punições serão adotadas.

Medida “ilegal” e “extremista”

A ação que exigia a suspensão do WhatsApp tinha sido classificada por profissionais especializados no Marco Civil da Internet como “ilegal”, além de “extremista” e  “autoritária”.

“Não é que o juiz esteja errado em querer punir o WhatsApp por não cumprir determinações legais”, explicou Celina Beatriz, pesquisadora do ITSrio.org (Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio de Janeiro). Segundo ela, o problema está na escolha da punição, que não está amparada pelo Marco Civil da Internet, sancionado pela presidente Dilma Rousseff em abril de 2014. “A legislação prevê sanções, mas não a interrupção dos serviços.”

O SindiTeleBrasil –entidade que representa as empresas de telecomunicações no país– havia divulgado nota dizendo que o setor recebeu com surpresa a decisão do juiz Luiz Moura Correia. Segundo o órgão, a suspensão do aplicativo poderia causar “um enorme prejuízo a milhões de brasileiros que usam os serviços, essenciais em muitos casos para o dia a dia das pessoas, inclusive no trabalho”.



Suzane assumiu ter planejado por meses em companhia do namorado Daniel Cravinhos, e, em menor participação, do cunhado Christian a morte dos pais

  • Suzane assumiu ter planejado por meses em companhia do namorado Daniel Cravinhos, e, em menor participação, do cunhado Christian a morte dos pais

A ré confessa pela morte dos pais Suzane von Richthofen, 31, condenada a 39 anos de prisão, admitiu em entrevista que foi ao ar nesta quarta-feira (25) ter planejado o crime por meses, junto com o então namorado, Daniel Cravinhos, e o cunhado, Christian Cravinhos.

Suzane afirmou ainda terem sido ela e Daniel os principais mentores dos assassinatos, ocorridos em 2002, em São Paulo. As declarações foram dadas aoapresentador Gugu, que estreou seu programa na Record.

“Muita gente me pergunta se a ideia [do crime] foi minha. Todos dizem que eu sou a mentora, a cabeça de tudo. Não é verdade, Gugu. Uma cabeça só não pensa em tudo. É uma junção de tudo, concorrência de ideias. Eu fiz parte, mas os três bolaram aquilo. Eu acho que o Cristian sabia menos da situação, mas, infelizmente, tanto o Daniel quanto eu temos culpa nessa parte”, declarou.

Em entrevistas anteriores, Suzane havia apontado os irmãos Cravinhos como idealizadores da morte dos seus pais, embora o Ministério Público sempre tenha defendido que ela era a mentora do crime.

Desta vez, Suzane disse estar arrependida de ter conhecido o então namorado e o cunhado. “Se eu não tivesse conhecido os Cravinhos, minha vida seria muito diferente. Mas não culpo apenas eles; onde um não quer, dois não fazem.”

Ela também contou que dentro do sistema prisional há pessoas que não toleram crime cometido contra os pais e que, por isso, pediu para permanecer em regime fechado no presídio 1 de Tremembé em vez de ser transferida para outro presídio onde poderia cumprir regime semi-aberto, ao qual tem direito e abriu mão.

A Justiça acolheu o pedido da presa, que pôde continuar trabalhando na oficina de confecções da Funap (Fundação de Amparo ao Preso) e ter direito à progressão da pena. A unidade do presídio de Tremembé deve ter uma ala de regime semi-aberto ainda em 2015.

Em setembro de 2014, Suzane casou-se com Sandra Regina Gomes, condenada a 27 anos de prisão pelo sequestro e morte de um adolescente em Mogi das Cruzes (SP). O relacionamento também é apontado como motivo para o pedido de permanência no regime fechado.

Meses antes, no começo do ano passado, Sandra havia se casado com Elize Matsunaga, 32, presa pela morte e esquartejamento do marido e executivo da Yoki, Marcos Kitano Matsunaga, crime que também teve grande repercussão na imprensa.

Perguntada se teria sido pivô da separação, Suzane disse que Sandrão, como a mulher é conhecida, deveria responder.

Considerada por outras presas e funcionárias do presídio como ‘muito atraente’, Suzane conta que, há cinco anos, um promotor de Justiça a chamou em seu escritório no Ministério Público e fez declarações de amor a ela: “Ele disse que conheceu uma menina com a qual sonhava; e na próxima vez, disse que eu era esta menina”. Ela conta que o denunciou e que esteve em contato com o promotor apenas para ser transferida ao presídio de Tremembé.

O promotor foi punido pelo Ministério Público por comportamento inadequado –ele nega o suposto assédio.

Família

Richthofen diz que não vê o irmão Andreas desde 2006, quando aconteceu seu julgamento. Segundo ela, ele visitava-a quando ainda estava presa em São Paulo, mas que as visitas, um dia, cessaram. “Eu sei que meu irmão sofreu muito, mas como ele passou estes anos, eu não sei. Se eu sofri aqui dentro [no presídio de Tremembé, onde está há sete anos], imagino ele lá fora. Quando ele diz o sobrenome, qualquer um reconhece, e ele terá que carregar isto pra sempre”.

De acordo com ela, Andreas não queria se afastar da irmã após a confissão do crime: “Na época, ele me disse: ‘Su, eu perdi meu pai, minha mãe. Eu não quero perder minha irmã. Eu te perdoo e vou ficar com você'”, disse ela ao apresentador. Ela acredita que um dos motivos do afastamento pode ter sido a herança, da qual abriu mão em 2014.

Na entrevista, ela afirmou não ter consciência do valor do dinheiro do qual abriu mão: “Este dinheiro nunca foi meu. Era dos meus pais e hoje pertence ao meu irmão”, disse. O espólio é avaliado em mais de R$ 3 milhões.

Ainda sobre a família, Suzane diz sentir falta da mãe. “Eu tenho certeza que ela me visitaria aqui, como tantas outras mães fazem aos domingos”, contou a Gugu. Segundo ela, o diálogo era aberto com Marísia von Richthofen, que seria uma pessoa carinhosa.

Ao “Programa Gugu”, a presa contou que foi a própria mãe quem lhe apresentou Daniel. Na época, ele era instrutor de aeromodelismo de Andreas. Ela disse, no entanto, que a mãe não aprovava o relacionamento da filha. “Depois que ele começou a passar mais tempo em casa, quando ficamos sérios, ela passou a conhecê-lo e não gostava dele”.

Suzane conta que, na prisão, trabalha em costura para uma empresa que fabrica uniformes para guardas e presidiárias e ganha cerca de um salário mínimo: “Eu ganho 700 e poucos reais”, afirma. Com este dinheiro, compra alimentos e cosméticos por meio de um fundo dentro da cadeia. Ela ainda contou que pretende estudar administração de empresas e montar uma empresa de tecelagem.



whatsappCircula desde quarta-feira (25/02) na internet uma foto de mandado judicial de um juiz do Piauí exigindo que uma operadora de telefonia bloqueie acesso de seus usuários ao serviço de troca de mensagens WhatsApp em todo o território nacional.

Procurada pela INFO, a Secretaria de Segurança Pública do Piauí esclareceu, por meio de nota oficial, que o documento é verdadeiro.

Segundo a nota, o mandado foi expedido no dia 11 de fevereiro por um juiz da Central de Inquéritos da Comarca de Teresina, mas só agora o caso se tornou público.

O motivo seria o descumprimento de uma ordem judicial anterior que pedia informações não liberadas pelo WhatsApp.

Essas informações estariam ligadas a um processo que teve início em 2013 e que ainda corre em segredo de justiça.

A nota não especifica, mas INFO apurou que se trata de uma investigação ligada à Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente referente a imagens compartilhadas por usuários por meio do serviço WhatsApp.

A nota divulgada pela Secretaria não explica por que o mandado judicial, publicado no dia 11 e encaminhado aos provedores de infraestrutura e às operadoras de telefonia móvel, não foi cumprido ainda.

A nota cita, no entanto, que todas as decisões judiciais foram tomadas com base na lei que instituiu e disciplinou o Marco Civil da Internet.

Em entrevista coletiva realizada hoje, a delegada Kátia Esteves, responsável pela Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), afirmou que é possível retirar o serviço do ar.

“É possível (o WhatsApp) ser retirado porque, com o Marco Civil de 2014, basta a empresa estar fornecendo serviços no Brasil e ter representante no Brasil. No caso, o representante no Brasil do WhatsApp é o Facebook do Brasil”.

Confira a nota da Secretaria de Segurança Pública do Piauí:

NOTA À IMPRENSA

O NÚCLEO DE INTELIGÊNCIA DA SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA vem, por meio desta, ESCLARECER que no dia 11 de Fevereiro de 2015 foi expedido, pelo MM. Juiz da Central de Inquéritos da Comarca de Teresina – PI, mandado judicial ordenando a SUSPENSÃO do aplicativo WhatsApp em todo o território nacional.

A ordem judicial foi expedida em virtude de anterior descumprimento, por parte do provedor de aplicação de Internet WhatsApp, de outras determinações de caráter.

Insta esclarecer, também, que os processos judiciais que originaram as referidas decisões tiveram início desde o ano de 2013, mas até a presente data os responsáveis pelo WhatsApp não acataram as ordens judiciais.

O mandado judicial foi encaminhado aos provedores de infraestrutura(Backbones) e aos provedores de conexão (operadoras de telefonia movél.

Por fim, cabe esclarecer que todas as representações e decisões judiciais acima mencionadas foram tomadas com base na Lei que instituiu e disciplinou o Marco.

Del. Alesandro Barreto Gonçalves

Delegado de Polícia Civil

Del. Éverton Ferreira de Almeida Férrer

Delegado de Polícia Civil

Del. Daniell Pires Ferreira

Delegado de Polícia Civil



detran

A partir deste ano, todos os veículos com cinco anos de uso ou mais deverão passar pela vistoria anual do Departamento Estadual de Trânsito da Bahia (Detran).

De acordo com a portaria nº 245 do órgão, o serviço pretende garantir condições de circulação e o documento de licenciamento anual do veículo, de porte obrigatório.

De acordo com Domingos Lemos, perito do Detran, a vistoria pretende também “verificar características estruturais, autenticidade da identificação do veículo e se os equipamentos obrigatórios estão em  perfeitas condições de funcionamento, garantindo assim a segurança e a preservação da vida”, afirma.

A vistoria pode ser realizada no Dentran, nos SACs Paralela ou Salvador Shopping, com hora marcada, ou em empresas credenciadas. O valor da taxa é de R$ 35,10.

O proprietário que tiver o veículo reprovado, deverá regularizar a situação e retornar ao órgão para uma nova verificação.

O Detran alerta a importância de o dono do veículo estar atento à data de vencimento do licenciamento do veículo e agendar previamente a vistoria, para que a documentação seja emitida no prazo.

O condutor de veículo não licenciado que for parado em blitz levará multa de caráter gravíssima, no valor de R$ 191,54, além de sete pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH). O veículo ainda será recolhido.



imagem-ilustrativa---thinkstock---mae-e-recem-nascido-1424794893682_615x300

Bastante comum entre mulheres prestes a dar à luz em países como Suécia, Inglaterra e Canadá. Cada vez mais popular nos Estados Unidos. Praticamente desconhecido no Brasil.
Esse é o óxido nitroso, mais conhecido como gás hilariante ou gás do riso, que tem como um de seus usos aliviar as dores do parto.
Profissionais da saúde e mães entusiastas relatam os benefícios no uso do gás, como ser uma opção a mais para as mulheres em trabalho de parto, além de ser menos invasivo e com menos riscos que uma anestesia como a peridural.
Em países europeus e no Canadá, o uso do óxido nitroso é tão tradicional que na maioria das maternidades ele já está instalado no quarto. No caso de partos domiciliares, cilindros do gás são levados por parteiras (midwives) para as casas das grávidas.
Já nos Estados Unidos, após ficar anos “fora de moda” por questões culturais e financeiras, o óxido nitroso agora está voltando a ganhar força – e adeptas.

Até 2012, há registros de que menos de dez maternidades no país usavam o gás, segundo o órgão do governo americano Agency for Healthcare Research and Quality. A demanda pelo método foi crescendo e, no ano seguinte, uma empresa relançou o óxido.
Desde então, mais de 30 hospitais e casas de parto adotaram o sistema. No ano passado, a FDA (agência que regula remédios e alimentos) aprovou a licença de outro fabricante do produto, ampliando ainda mais o mercado.



O Whatsapp – aplicativo de mensagens instantâneas – pode sair do ar no Brasil. De acordo com a coluna de Felipe Patury, da Época, o juiz Luiz Moura Correia, da Central de Inquéritos da Comarca de Teresina (PI), determinou que uma empresa de telefonia “suspenda temporariamente até o cumprimento da ordem judicial (…), em todo território nacional, em caráter de urgência no prazo de 24 horas após o recebimento, o acesso através dos serviços da empresa aos domínios whatsapp.net e whatsapp.com, bem como todos os seus subdomínios e todos os outros domínios que contenham whatsapp.net e whatsapp.

whatsapp

com em seus nomes e ainda todos números de IP (Internet Protocol) vinculados aos domínios já acima citados”. A decisão do magistrado diz ainda que a empresa de telefonia deve “garantir a suspensão do tráfego de informações de coleta, armazenamento, guarda e tratamento de registros de dados pessoais ou de comunicações entre usuários do serviço e servidores da aplicação de trocada de mensagens multi-plataforma denomidada Whatsapp, em que pelo menos um desses atos ocorra em território nacional”.

O processo corre em segredo de Justiça. A empresa luta para cassar a decisão, tomada pelo juiz Luiz Moura Correia em 11 de fevereiro, antes de ser obrigada a cumpri-la. A empresa de telefonia foi comunicada da decisão de Moura Correia em 19 de fevereiro por meio de um ofício do delegado Éverton Ferreira de Almeida Férrer, do Núcleo de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública do Piauí.