Saúde: Pesquisadores criam curativo com alto poder cicatrizante a partir de proteína do abacaxi

Pesquisadores da Universidade de Sorocaba (Uniso) e da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em São Paulo, criaram um curativo cicatrizante a partis de uma proteína encontrada no abacaxi. “Quem tem ferimentos graves sabe muito bem a diferença que faz um bom curativo. 

Resultado de imagem para abacaxi

Ele precisa criar uma barreira contra microrganismos, evitando contaminações, e também ser capaz de propiciar atividade antioxidante para diminuir o processo inflamatório de células mortas e pus”, explicou Angela Faustino Jozala, coordenadora do Laboratório de Microbiologia Industrial e Processos Fermentativos (LaMInFe) da Uniso e uma das autoras do artigo.

Segundo a Agência Fapesp, foram realizados testes em laboratórios, com o uso de membranas de nanocelulose bacteriana. As estruturas foram submersas por 24 horas em solução de bromelina, a proteína do abacaxi. O resultado foi um aumento de nove vezes na atividade antimicrobiana da nanocelulose bacteriana.

Com a bromelina, os pesquisadores perceberam que, além de aumentar a propriedade antimicrobiana da nanocelulose bacteriana, também foi criada uma barreira seletiva que potencializou a atividade proteica e outras atividades importantes para a cicatrização, como o aumento de antioxidantes e da vascularização. “Uma pele não íntegra tem como maior problema a contaminação. O paciente fica suscetível a ter uma infecção seja em casos de queimaduras, ferimentos ou feridas ulcerativas.

A bromelina cria essa barreira tão importante”, acrescentou a cientista. De acordo com o estudo, 30 minutos após ser incorporada a membranas de nanocelulose bacteriana, foi observada uma liberação maior de bromelina e com maior capacidade de ação antimicrobiana. As membranas de nanocelulose bacteriana atuaram na seleção da absorção ou liberação de bromelina. *Bahia Notícias



Comentários

Os comentários estão fechados.